Projeto realiza ações de prevenção e tratamento dentário no Lar São Domingos

Acadêmicos do Centro Universitário Tiradentes – Unit iniciaram este mês um projeto de extensão que vai promover ações educativas, preventivas e de reabilitação dentária, ao longo do ano, com as crianças do Lar São Domingos . Na semana passada, uma equipe fez a avaliação do turno da tarde e, na próxima quinta-feira (9), as crianças que frequentam a instituição no período da manhã vão ser avaliadas pelos estudantes. Os menores que precisarem de tratamento serão encaminhados para a clínica de odontologia do Unit.

Segundo a professora Mariana Alencar Nemézio, que está à frente deste projeto juntamente com outros professores do curso, as primeiras crianças encaminhadas para reabilitação já vão ser atendidas nesta quarta-feira (8), na clínica do centro universitário. Ainda de acordo com ela, neste primeiro momento apenas a faixa etária de 6 a 12 anos está sendo avaliada, mas o projeto prevê a abrangência dessas ações aos 500 jovens assistidos pelo Lar São Domingos.

A professora explicou ainda que cada criança que passa pelo exame clínico recebe um kit de escovação e as orientações básicas para realizar uma boa higiene bucal. “A cada mês, um grupo de dez estudantes vai voltar à instituição para fazer o acompanhamento individual dessa escovação, realizar novos encaminhamentos, se houver necessidade, e desenvolver ações educativas e preventivas”, esclareceu.

“Esse trabalho, que envolve os acadêmicos do oitavo e do nono período de Odontologia (através das disciplinas Estágio Infantil na Escola I e II), inclui exame clínico individual, palestras e vídeos pedagógicos sobre a cárie, orientação de higiene, escovação supervisionada, bochechos florados, prevenção e recuperação dentária, entre outras ações que serão desenvolvidas por cerca de 70 alunos até o fim do ano”.

Para o presidente do Lar São Domingos, Ricardo Santos, parcerias como essa são muito bem vindas porque não só promovem o aprendizado dos acadêmicos como contribuem para a inclusão social e a qualidade de vida dessas crianças, que vivem em um contexto de completa vulnerabilidade social.

“Porque problemas relacionados à saúde bucal também interferem na qualidade de vida das pessoas, sejam elas pequenas ou grandes. E nós ficamos muito felizes de poder minorar os problemas das nossas crianças e dos nossos adolescentes, garantindo a eles também o direito à saúde bucal”, ressaltou o presidente.

 

Os comentários estão encerrados.